Café das 10

Dia Internacional da Mulher - Como Trabalhar o Marketing Para o Público Feminino?

Publicado por Macro Makers em 2021-03-08 às 10:00

Dia Internacional da Mulher - Como Trabalhar o Marketing Para o Público Feminino?

Criar estratégias de marketing para as mulheres tem sido comum na agenda de diversas empresas, o que não é apenas um mero capricho, mas sim uma necessidade atual.

As mulheres têm o interesse de consumir produtos que estejam de acordo com os seus valores pessoais e que tragam benefícios para suas famílias.Por isso, as empresas ao desenvolver estratégias de marketing para mulheres, deverão atender que as ações precisarão de ser extremamente bem elaboradas.

Neste Dia Internacional da Mulher enumeramos algumas dicas fundamentais que deverão ser tidas em consideração na hora de desenvolver campanhas a elas destinadas.

1. Perceber quais são as “dores” específicas das mulheres

As mulheres constituem mais da metade da população e elas também compram cervejas, carros, produtos tecnológicos… e se o nosso produto é mais voltado para as mulheres (como produtos de higiene feminina, cosméticos, moda feminina, etc.) é um grande erro pensar que elas são todas iguais e pensam ou comportam-se da mesma maneira.

Cada uma possui as suas particularidades e necessidades distintas. Por isso, para que a nossa produção de conteúdos converse com as mulheres, precisamos entender o que elas esperam da nossa marca. Temos que pesar na balança quais as soluções que o nosso produto ou serviço oferecem e como eles podem ajudar essas mulheres.

Volta e meia falamos da importância de se moldarem personas direcionadas para o nosso negócio. Essa representação de cliente ideal pode ajudar o nosso negócio a desenvolver soluções pensadas para os problemas que as mulheres enfrentam no dia a dia. Se a nossa empresa vende maquilhagem, a nossa persona não pode ser apenas “mulheres de 25 anos que compram maquilhagem”.

Importa descobrir quais são os gostos, interesses e vontades dessas mulheres. Dessa forma, teremos mais hipóteses de produzir conteúdos e campanhas menos generalistas e estereotipadas.

2. Esquecer os estereótipos

Por muito tempo, foram criados uma série de estereótipos sobre as mulheres: o tipo ideal de comportamento, as roupas certas, os gostos corretos etc. Mas a verdade é que nem todas as mulheres odeiam desporto, nem todas as mulheres querem casar e ser mães, nem todas as mulheres gostam de maquilhagem ou moda.

Nunca podemos assumir que todas mulheres são iguais ou possuem o mesmo gosto. O papel da mulher mudou há muito tempo e estereotipar este público é um grande erro de qualquer marca.

Exemplo: a marca brasileira de cerveja Proibida julgou que seria uma boa ideia criar uma cerveja destinada ao público feminino que é delicada, doce e perfumada, o que se revelou um tiro no pé. Esse produto afastou as mulheres apreciadoras de cerveja que já eram consumidoras da marca e gerou um buzz muito negativo nas redes sociais da marca. Afinal, quem disse que todas as mulheres gostam de coisas delicadas?

Por outro lado, a marca brasileira de goró (aguardente) Catuaba Selvagem conseguiu tirar proveito desse buzz negativo. Esta marca desenvolveu uma campanha deixando bem claro que “goró de mulher é o que ela quiser”.

Geralmente, produtos com versões para mulheres são uma ideia péssima. Se eles oferecem exatamente a mesma coisa e se o que muda é apenas o nome e a embalagem, qual é seu verdadeiro propósito?

3. Evitar o Pink Tax

O pink tax acontece quando produtos destinados às mulheres são mais caros que os produtos direcionados ao público masculino.

Um exemplo disso foi o lançamento, em 2012, da “Bic for her”, uma caneta supostamente destinada ao público feminino. Até a comediante Ellen Degeneres fez um vídeo a ironizar o caso: “Finalmente uma caneta feita apenas para nós, mulheres!” O buzz negativo foi tal que a empresa retirou o produto das lojas.

Lizandra Muniz da Rock Content afirma que “considerando que as mulheres, em média, recebem salários menores que os dos homens, é até revoltante pensar que um produto custa mais só porque ele recebeu a cor rosa e decidiram que ele foi feito para o público feminino. A lição que fica aqui é: cada mulher é um ser humano distinto. Não nos coloquem numa bolha e tentem nos vender algo universal.”

Fontes:

cafedas10.pt