Café das 10

Crianças Com Asma Protegidas Contra a COVID

Publicado por Macro Makers em 2021-03-01 às 10:00

Crianças Com Asma Protegidas Contra a COVID

Ao contrário do que se acreditava, a asma ou as restantes reações alérgicas não são um fator de risco para a infeção pelo novo coronavírus entre crianças e adolescentes.

A conclusão consta de um estudo da Faculdade de Medicina do Porto (FMUP) e do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (CINTESIS), no Brasil. Os investigadores afirmam mesmo que a doença, quando controlada, "pode até proteger contra o SARS-Cov-2".

"Esta aparente proteção das crianças asmáticas contra o novo coronavírus acontece mesmo em crianças que são simultaneamente obesas, embora a obesidade seja considerada um fator de risco independente para a infeção nas diversas faixas etárias", explicam os autores da avaliação, divulgada na publicação científica International "Journal of Environmental Research and Public Health". “De facto, os estudos realizados até agora indicam que as crianças com asma, bem como as que sofrem de atopia (mais predispostas a alergias), não são mais afetadas pela COVID-19."

A análise resulta de uma revisão de artigos científicos publicados a nível mundial e que, segundo os investigadores, "permitem respirar de alívio". A explicação está por dar na íntegra, mas há algumas pistas. "Questiona-se se a asma será, por si só, um fator protetor contra a COVID-19. Existem algumas explicações possíveis, como a expressão reduzida de recetores para o vírus SARS-CoV-2, o papel protetor dos eosinófilos (células do sistema imunitário implicadas na asma) presentes nas vias aéreas e as propriedades antivirais e imunomoduladoras da medicação inalada (corticoides)", explicam José Laerte Boechat e Luís Delgado, investigadores da FMUP e do CINTESIS.

Na prática, o que o estudo revela é que as crianças e adolescentes com asma ou outras alergias expressivas não têm maior risco de contágio e evolução da COVID do que as restantes sem patologias. Além disso, em caso de infeção, a medicação que fazem habitualmente com corticoides "parece ajudar a controlar a resposta imunológica", ou seja, "a desenvolver doença assintomática ou sem severidade".

Fontes:

cafedas10.pt