Café das 10

COVID-19: as Boas Máscaras e as Que Não Prestam

Publicado por Macro Makers em 2020-07-28 às 10:00

COVID-19: as Boas Máscaras e as Que Não Prestam

Cientistas portugueses estudaram as diferenças entre as boas máscaras e as máscaras que não prestam no combate à COVID-19.

Investigadores portugueses, cientistas da Faculdade de Medicina da Universidade do Porto (FMUP), do Centro de Investigação em Tecnologias e Serviços de Saúde (Cintesis), e do Centro Tecnológico das Indústrias Têxtil e do Vestuário (Citeve), avaliaram 49 tecidos passíveis de ser utilizados na produção de máscaras comunitárias e concluíram que há tecidos que são melhores do que outros para produzir uma máscara eficaz, e também que o número de camadas usadas não é indiferente.

Segundo este estudo, focado exclusivamente em máscaras comunitárias, as melhores opções têxteis são o tecido não tecido (TNT), utilizado em batas e toucas cirúrgicas, e o algodão em malha jersey, utilizado em algumas t-shirts. A máscara deverá ter pelo menos duas camadas de tecido para atingir a eficácia necessária.

Sempre que possível, a escolha deverá passar pelo uso de máscaras comunitárias certificadas.

A ganga não serve para improvisar uma boa máscara porque tem uma péssima permeabilidade e filtragem. Mesmo utilizada em duas camadas, tem menos de 50% de filtragem das gotículas, o que não é aceitável.

Segundo a regulação nacional, as máscaras de utilização comunitária devem filtrar pelo menos 70% das partículas com a dimensão de três micrómetros (3mm/1000), gotículas ínfimas produzidas sobretudo durante a fala. Têm também de ter uma permeabilidade ao ar de pelo menos oito litros por minuto para garantir uma boa respirabilidade.

Após sucessivos estudos científicos, hoje não restam dúvidas de que a utilização generalizada de máscaras é imprescindível no combate à COVID-19, por diminuir até cerca de metade o risco de infeção por esta doença.

Fontes:

cafedas10.pt